“Isaías 43:11 e Atos 4:12 prova a Trindade”?

“Eu, eu [sou] o SENHOR, e fora de mim não há Salvador.” Isaias 43:11 ACRF
Esse texto normalmente é associado com Atos 4:12 que lemos (ACRF): “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”.
Os trinitários alegam que por não existir salvador além ou fora de Jeová, e que em Atos se relata que em nenhum outro há salvação, então concluem que Jesus não pode ser outro se não Jeová. Isso acontece por deixarem de considerar o contexto geral das Escrituras. Vamos analisar e veremos como fica mais fácil de compreender e associar os texto.
“Pois assim como por uma só ofensa [veio o juízo] sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça [veio a graça] sobre todos os homens para justificação de vida. Porque, como pela desobediência de UM SÓ HOMEM, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de UM muitos serão feitos justos.” Ro 5:18,19 ACRF (GRIFO FOI MEU)
O texto bíblico é claro. Não foi um ser divino que introduziu o pecado no mundo, mas sim um homem. Da mesma forma, seria um homem quem seria o responsável pela restauração da humanidade. Não se pode ir além das coisas que estão escritas disse Paulo, de modo que o texto é claro em expor esta realidade diante de nós.Mas como então se diz que Jesus é o responsável pela nossa salvação?
Bem, este homem sobre o qual Tércio escreve e o qual Paulo se refere é o próprio Jesus, o qual foi feito Cristo ou Messias por Deus para realizar o que somente um homem poderia realizar a compra da humanidade. Conhecemos bem a história de Adão e Eva que pecaram contra Deus comendo o fruto proibido onde passou para seus descendentes. Sendo perfeitos e com plena capacidade de realizar o que Deus lhes havia ordenado, estes não eram ignorantes quanto a vontade de Deus e as conseqüências da desobediência, de modo que a desobediência foi intencional, premeditada e consciente, partindo de uma escolha. Eles deram consideração a uma usurpação, a saber, que deviam ser iguais a Deus.
Eles não poderiam ser perdoados, pois não havia base justa que validasse o perdão de traidores intencionais. A lei posterior dada por Deus continha o principio: “E não recebereis resgate pela vida do homicida que [é] culpado de morte; pois certamente morrerá. Núm 35:31.
Este texto expressa a lei de Deus de que, aquele que merece morrer não tem direito a ser resgatado desta situação.
Os descendente de Adão e Eva nasceram debaixo da condição de apartados de Deus, sendo imperfeitos por terem sido gerados por pais imperfeitos que lhes transmitiram sua natureza corrompida e decadente. Tanto física, moral como espiritualmente, estes descendentes herdaram uma condição incapacitante a qual eles não tinham nenhuma culpa direta. Eles assim morriam e sofriam uma série de padecimentos os quais não estavam dentro dos propósitos de Deus para eles, mas infiltraram-se por meio da escolha que seus pais originais fizeram.
Não era justo que sofressem por algo que não era de suas responsabilidades.
Deus assim, interveio ao revelar-se aos humanos descendentes de Adão e lhes prometeu trazer um descendente por meio de uma mulher que por fim acabaria com os feitos danosos do pecado e, que mataria por fim a serpente original que era Satanás que desviou-se de Deus e mentiu aos pais desta descendência.
Este descendente restauraria a vida novamente as condições incias que seus pais perderam.
Para isso, seria necessário que tais descendentes estivessem dispostos a aceitarem este descendente como seu salvador e pai.
Não haveria como humanos por si mesmo conseguirem estar a altura de Deus, pois as exigências divinas eram tais que a condição humana incapacitaste que lhes havia sido transmitida por seus pais não os permitia cumprir.
Jeová entrevem no sistema transferindo a vida de uma criatura espiritual que se despojou da vida celestial e aceitou se sujeitar a condição humana. Esta criatura aceitou deixar de existir qual ser espiritual para se tornar humano, vindo a se tornar parte da descendência de Adão. Como o humano original não foi criado pecaminoso, corretamente este não poderia ser inserido no sistema como ser imperfeito, mas sim plenamente capaz de cumprir os requisitos de Deus como Adão e Eva eram capazes. Mas ao ser transferido para o ventre de uma virgem, esta vida perfeita anulou os efeitos nocivos da imperfeição que seriam transmitidos pela sua mãe, de modo que a ação dominante dos genes deste ser se sobrepôs aos recessivos de Maria. A criança que estava sendo gerada em Maria estava protegida pela perfeição humana da criatura.
Quando o menino nasceu, veio a crescer e tornar-se adulto, possuindo a vitalidade e a vida que era originalmente proposta para Adão e sua esposa Eva, os quais eram também os pais ancestrais do menino. Este rapaz atingiu a idade de 30 anos e fez um intenso trabalho de divulgação de um reino, o qual ele disse que iria junto de seu Pai, destruir por fim a serpente que trouxe o sofrimento a raça humana. Este homem tinha direito de viver para sempre na terra e de casar e gerar filhos, mas abriu mão de tudo isso para morrer voluntariamente.
E por que ele fez isso?
Bem, segundo a ordem de Deus, a vida eterna na Terra é um direito aos obedientes, de modo que se uma pessoa obediente a Deus morresse em perfeita obediência e em perfeita natureza humana, abriria-se uma brecha que precisaria ser sanada na justiça divina, pois esta pessoa não poderia permanecer morta, visto a justiça de Deus exigir que ela fosse imediatamente trazida de volta a vida na Terra. Mas Jesus ao morrer assassinado, abre mão do direito de viver para sempre na Terra e de casar e ter filhos, direitos estes que eram seus. A justiça de Deus exige causar que ele tenha todos os seus direitos assegurados. Então Jesus declara: “Me de em troca dos descendentes que eu deveria ter como humano, os filhos de Adão, e por minha esposa, uma congregação”.
“Porque tanto aquele que santifica como os que estão sendo santificados [provêm] todos de um só, e por esta causa ele não se envergonha de chamá-los “irmãos”, dizendo: “Declararei o teu nome a meus irmãos; no meio da congregação louvar-te-ei com cântico.” E, novamente: “Terei nele a minha confiança.” E, novamente: “Aqui estou eu e as criancinhas que Jeová me deu.” Hebreus 2:11-13 Isaías 8:18
Guarde esta data em sua memória, 33 da Era Comum. Neste ano, no dia 14 de Nisã, um humano conseguiu readquirir a vida para a humanidade. Esta é data de seu ‘nascimento’.
Jesus disse com alegria: “Eu venci o mundo” João 16:33 Apocalipse 3:21
Desta forma temos diante de nós o fato de que Jesus, um humano, foi plenamente capaz de salvar a humanidade, pois somente ele em toda a Terra, ou seja, debaixo do céu como diz Atos 4:12 tinha as condições necessárias para merecer a vida eterna na Terra e uma família aqui, e abrindo mão dela, reivindicar a descendência de Adão.
Deste modo é que Jesus se torna a Salvação desde Jeová, sendo que Jesus realmente significa: Jeová é a Salvação.
Vimos que foi Jeová quem enviou Jesus para se tornar humano.
Sabemos que ele solicitou alguém para realizar esta função, e o escolhido foi seu filho primogênito.
Sabemos que a força e o espírito necessário para levar a termo esta tarefa vieram desde o Pai Jeová.
Assim, sabendo que Jesus foi o enviado de Deus e associado deste na realização desta compra ou resgate, podemos entender que Jesus é o meio pela qual Deus salva, sendo porém a origem da salvação a pessoa de Deus, que é o Pai Jeová
Vejam:
“Movido pelo Espírito, ele foi ao templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para lhe fazer conforme requeria o costume da lei, Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: “Ó Soberano, como prometeste, agora podes despedir em paz o teu servo.Pois os meus olhos já viram a tua salvação” Lucas 2:27-30 NVI
“E agora – toda glória àquele que é o único Deus, aquele que nos salva por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor; sim, o esplendor e a majestade, todo o poder e autoridade, são dele desde o princípio; são dele e serão dele para todo o sempre.” Judas 25 Bíblia Viva
Aqui fica claro que além de Jeová não há salvação, além dele nenhum, pois ele é aquele que providencia o cordeiro que tira o pecado do mundo. Ele é quem faz o sacrifício do cordeiro para expiação do pecado. De modo que ele é o que causa que venha a ser, sendo o origem da salvação, salvação esta que ocorre por meio de um mediador, que é o Cristo, Nosso Senhor.
Como a mão que alcança a corda ao que esta caindo, sendo a corda o meio pela qual se salva, sendo o salvador aquele que segura a corda, para que ela por sua vez cumpra os objetivos pelos quais esta sendo usada.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s