ENCONTRE JÓIAS ESPIRITUAIS – DESTAQUES DE  ISAÍAS 6-10 DA SEMANA DE  12 A 18 DEZEMBRO DE 2016  

apostila

Isaías 7:3, 4 — Por que Jeová salvou o perverso rei Acaz? (w06 1/12 pág. 9 par. 4)

 

Os reis da Síria e de Israel planejavam destronar o Rei Acaz, de Judá, e colocar no seu lugar um governante fantoche, o filho de Tabeel — um homem que não era descendente de Davi. Essa trama diabólica resultaria na interrupção do cumprimento do pacto do Reino feito com Davi. Jeová salvou Acaz para preservar a linhagem por meio da qual viria o prometido “Príncipe da Paz”. — Isaías 9:6.

 

Isaías 8:1-4 — Como essa profecia se cumpriu? (it-2 pág. 423 pars. 5-6; ip-1págs. 111-112 pars. 23-24)

Tanto a grande tábua como o recém-nascido serviriam de sinais de que a Assíria logo saquearia os opressores de Judá, Síria e Israel. Quão logo? Antes que o bebê aprendesse a falar as primeiras palavras que a maioria dos bebês aprende — “pai” e “mãe”. Tal predição exata deveria edificar a confiança das pessoas em Jeová. Ou poderia levar alguns a zombar de Isaías e de seus filhos. Seja como for, as palavras proféticas de Isaías se cumpririam. — 2 Reis 17:1-6.

 

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?

 

Ao considerar as palavras de ISAÍAS 6:1-3, imagine-se no lugar dele. O que Isaías viu? “Cheguei a ver Jeová sentado num trono enaltecido e elevado.” (Versículo 1) Na realidade, Isaías não estava vendo o Soberano Senhor Jeová. Olhos físicos não conseguem ver pessoas espirituais. A Bíblia diz claramente: “Nenhum homem jamais viu a Deus.” (João 1:18) O que Isaías teve foi uma visão. Ainda assim, a visão era tão vívida, tão real, que Isaías ficou atemorizado, como se estivesse vendo o próprio Jeová.

****************************************************************

Quem falaria então a favor de Jeová? Quem declararia o seu poder de salvar? ISAÍAS 6:1,8 diz: “Eis-me aqui! Envia-me”, foi a resposta imediata. Quem falava era Isaías, que já vinha profetizando antes disso. Era cerca de 778 AEC, ano em que o leproso Rei Uzias morreu. O nome Isaías significa “Salvação de Jeová”, que é o mesmo significado, embora escrito em ordem inversa, do nome Jesus (“Jeová É Salvação”). Desde o início até o fim, a profecia de Isaías sublinha este fato: que Jeová é salvação.

****************************************************************

ISAÍAS 7:8 — Como Efraim foi “desbaratado” em 65 anos? A deportação das pessoas que pertenciam ao reino de dez tribos e o repovoamento do país com estrangeiros começaram “nos dias de Peca, rei de Israel”, pouco depois de Isaías ter proferido essa profecia. (2 Reis 15:29) Esse processo continuou por muito tempo, até os dias do rei assírio Esar-Hadom, filho e sucessor de Senaqueribe. (2 Reis 17:6; Esdras 4:1, 2; Isaías 37:37, 38) Essa transferência contínua — os assírios levando e trazendo pessoas de Samaria — coincide com o período de 65 anos mencionado em Isaías 7:8.

 

Que pontos da leitura posso usar no serviço de campo?

 

O substantivo hebraico sa·ráf, no plural, é traduzido por “serafins” emISAÍAS 6:2, 6, e significa literalmente “o ardente”, ou “o abrasador”. É também usado em conjunto com o termo hebraico geral para serpente (na·hhásh) e tem sido traduzido por ‘venenoso’, referindo-se talvez ao efeito ardente e inflamatório do veneno. (De 8:15) É primeiro mencionado na época de Deus infligir punição aos israelitas rebeldes por enviar “serpentes venenosas [nehha·shím sera·fím]” entre eles. Depois da intercessão de Moisés, Jeová mandou que esse fizesse “uma cobra ardente” e a colocasse numa haste de sinal. Se os mordidos olhassem para ela, seriam curados e viveriam. Moisés fez tal serpente de cobre. (Núm 21:6-9; 1Co 10:9) Jesus deu a isso significado profético por declarar: “Assim como Moisés ergueu a serpente no ermo, assim tem de ser erguido o Filho do homem, para que todo o que nele crer tenha vida eterna.” — Jo 3:14, 15.

****************************************************************

A intensidade da santidade e pureza de Jeová é enfatizada pela declaração de criaturas celestiais em ISAÍAS 6:3 que diz: “Santo, santo, santo é Jeová.” Antes de tirar do trono o último rei da linhagem de Davi, Jeová disse: “Uma ruína, uma ruína, uma ruína a farei. Também, quanto a esta, certamente não virá a ser de ninguém, até que venha aquele que tem o direito legal, e a ele é que terei de dá-lo.” Ele mostrou assim enfaticamente que não haveria rei davídico sentado no trono de Jerusalém em Seu nome — o trono ficaria absolutamente vago — até o tempo de Deus estabelecer seu Messias no poder do Reino. (Ez 21:27) A intensidade dos ais que sobreviriam aos que moram na terra é prevista pela tripla repetição da declaração de “ai”. — Apoc. 8:13.

****************************************************************

Na bíblia não se menciona o número de serafins, mas clamavam um para o outro, o que evidentemente significa que havia alguns em cada lado do trono e que declaravam a santidade e a glória de Jeová num canto antifônico, um (ou um grupo) repetindo após o outro, ou respondendo ao outro com parte da declaração em ISAÍAS 6:2,3 “Santo, santo, santo é Jeová dos exércitos. A plenitude de toda a terra é sua glória.” Eles, com humildade e modéstia na presença do Supremo, cobriam a face com um dos seus três pares de asas, e por estarem num local santo, cobriam os pés com outro par, com o devido respeito pelo Rei celestial.

****************************************************************

Isaías ouviu os serafins proclamarem a santidade de Jeová em ISAÍAS6:5 “Eu passei a dizer: ‘Ai de mim! Pois, a bem dizer, fui silenciado, porque sou homem de lábios impuros e moro no meio de um povo de lábios impuros; pois os meus olhos viram o próprio Rei, Jeová dos exércitos!” podemos até considerar a reação do profeta Isaías. A infinita santidade de Jeová lembrou Isaías de como ele era pecaminoso e imperfeito. Inicialmente, esse homem fiel ficou arrasado. Mas Jeová não o deixou nesse estado.

****************************************************************

Um serafim prontamente consolou o profeta Isaías. Como? ISAÍAS 6:6,7diz que esse poderoso espírito voou até o altar, apanhou uma brasa ali e, com ela, tocou nos lábios de Isaías. Isso talvez pareça mais uma tortura do que um consolo. Mas devemos nos lembrar de que era uma visão, rica em simbolismos. Isaías, um judeu fiel, bem sabia que diariamente eram oferecidos sacrifícios no altar do templo, para expiação de pecados. E o serafim amorosamente lembrou o profeta de que, embora fosse mesmo imperfeito, “de lábios impuros”, ainda assim podia ter uma posição limpa perante Deus. Jeová se dispunha a considerar santo um homem imperfeito e pecaminoso — pelo menos em sentido relativo.

****************************************************************

O clamor dos serafins a respeito da santidade de Deus mostra que eles têm algo a ver com cuidar de que se declare a santidade de Jeová e que Sua glória seja reconhecida em todas as partes do universo, inclusive a terra. Em ISAÍAS 6:3,6,7 diz que um dos serafins tocou os lábios de Isaías para tirar os pecados e os erros dele por meio duma brasa viva tirada do altar. Isto talvez indique que a obra deles de algum modo se relaciona com a eliminação do pecado dentre o povo de Deus, baseando-se esta purificação no sacrifício de Jesus Cristo sobre o altar de Deus.

****************************************************************

Por causa da atitude arrependida dos restante ungido e humilde, Jeová, na sua benignidade imerecida, passou a purificar-lhes os lábios. ISAÍAS6:6,7, nos diz: “Em vista disso voou para mim um dos serafins, e na sua mão havia uma brasa viva que ele tirara do altar com uma tenaz. E ele passou a tocar-me a boca e a dizer: ‘Eis que isto tocou os teus lábios, e teu erro sumiu e o próprio pecado teu está espiado.’” Foi a purificadora mensagem da Palavra de Deus que destruiu como que por fogo as tradições e os ensinos de homens. Expurgou do coração deles o temor do homem e o substituiu por um zelo ardente, de usarem os lábios para honrar a Jeová. Deste modo Jeová cumpriu sua promessa de dar “aos povos a transformação para uma língua pura [literalmente: um lábio puro], para que todos eles invoquem o nome de Jeová”. — Sofonias 3:9.

****************************************************************

Foi logo cedo na era que se seguiu à Primeira Guerra Mundial que Jeová começou a abrir os olhos de entendimento dos seus servos ungidos para a maravilhosa visão registrada em ISAÍAS 6:1-4. Esta visão salienta a importância de termos lábios puros, a fim de servir a Jeová de modo aceitável. Ela mostra que Jeová é santo em sentido superlativo. Seus servos também precisam refletir esta qualidade. Mas, os do restante ungido precisavam de ajuda neste respeito. Durante a Primeira Guerra Mundial, até certo ponto, deixaram-se macular com um envolvimento nos assuntos do mundo. “O temor de Jeová é puro”, ou limpo, mas eles haviam permitido que o temor do homem e de organizações humanas afetasse seus lábios, silenciando em grande parte sua proclamação da Palavra de Deus. (Salmo 19:9) Pelo contato com a cristandade, os do restante ainda estavam maculados por algumas das tradições e práticas dela.

****************************************************************

ISAÍAS 6:8 diz: “Eis-me aqui! Envia-me.” Isaías disse isso depois de ter uma visão gloriosa de Jeová sentado em Seu trono. Durante essa notável visão, Isaías ouviu Jeová dizer: “A quem enviarei e quem irá por nós?” Era um convite para alguém se tornar o porta-voz de Jeová em declarar a mensagem de Deus a seu povo desobediente. Isaías mostrou-se fiel à sua palavra — seu Sim significou Sim. Por mais de 46 anos, serviu fielmente como profeta, fazendo fortes denúncias e declarando maravilhosas promessas de restauração da adoração verdadeira.

****************************************************************

ISAÍAS 6:8a — Por que se diz nesse versículo “a quem [eu] enviarei” e depois “quem irá por nós”? O pronome “eu” se refere a Jeová Deus. O pronome “nós”, indica que há outra pessoa com Jeová. Essa pessoa, naturalmente, é seu “Filho unigênito”. — João 1:14; 3:16.

****************************************************************

ISAÍAS 6:11 — O que Isaías queria dizer quando perguntou: “Até quando, ó Jeová?” Ele não estava perguntando por quanto tempo teria de proclamar a mensagem de Jeová a um povo indiferente. Queria saber por quanto tempo a condição espiritual doentia do povo continuaria a desonrar o nome de Deus.

****************************************************************

Em 778 AEC, ano em que morreu o Rei Uzias, de Judá, Isaías, o profeta de Deus, teve uma visão de Jeová no seu enaltecido trono. “A quem enviarei e quem irá por nós?” perguntou Jeová em ISAÍAS 6:1,8-10.Isaías ofereceu-se, mas Jeová o advertiu de que seus co-israelitas seriam indiferentes às suas declarações. Mais tarde o apóstolo João comparou os judeus descrentes do primeiro século ao povo dos dias de Isaías, e observou: “Isaías disse estas coisas, porque viu a sua glória.” A glória de Quem? A de Jeová e a do pré-humano Jesus ao lado dele nas cortes celestiais.  João 12:37-41.

****************************************************************

 Quando os da classe de Isaías, nos tempos modernos, começaram a ouvir a voz de Jeová perguntando, conforme registrado em ISAÍAS 6:8: “A quem enviarei e quem irá por nós?” eles de bom grado responderam: “Eis-me aqui! Envia-me!” Nem todos acharam fácil iniciar o ministério público, mas queriam ser usados por Deus como povo para o Seu nome. O espírito dele os fortaleceu. Seu número aumentou.

****************************************************************

Ao relembrar o ministério de Jesus, fica claro que o fato de os judeus não depositarem fé nele cumpre uma profecia. Isaías predisse que os olhos do povo seriam cegados e que seus corações seriam endurecidos de modo que não dariam meia-volta a fim de ser curados conforme o relato em ISAÍAS 6:10. A maioria dos judeus de modo obstinado rejeita a evidência de que Jesus é o prometido Libertador, o caminho para a vida.

****************************************************************

O nome do filho do profeta Isaías, Sear-Jasube, mencionado em ISAÍAS7:3 incorporava o substantivo sheʼ·ár (verbo: sha·ʼár) e significava “Um Mero Restante (Os Remanescentes) Retornará”. Esse nome era sinal de que Jerusalém cairia e de que seus habitantes iriam para o exílio, mas de que Deus teria misericórdia e faria com que um restante retornasse a terra.

****************************************************************

Entre 762 AEC e 759 AEC, o rei de Israel e o rei da Síria declararam guerra ao reino de Judá, conforme o relato de ISAÍAS 7:5,6. Com que objetivo? Invadir Jerusalém, remover o Rei Acaz do trono e substituí-lo por outra pessoa, talvez alguém que não fosse da linhagem do Rei Davi. O rei de Israel deveria saber que isso não daria certo. Jeová havia decretado que um descendente de Davi ocuparia Seu trono permanentemente, e a palavra de Deus sempre se cumpre. — Jos. 23:14; 2 Sam. 7:16.

****************************************************************

Jeová, por meio de Isaías, revelou a estratégia dos inimigos de Judá. Eis o que planejavam em ISAÍAS 7:5,6 que diz: “Subamos contra Judá e rompamo-lo em pedaços, e tomemo-lo para nós por meio de brechas; e façamos outro rei reinar nele, o filho de Tabeel.” A coalizão siro-israelita tramava conquistar Judá e substituir Acaz, um dos filhos de Davi, por um homem da escolha deles. Claramente, o ataque a Jerusalém era então mais do que uma guerra entre nações. Tornara-se uma luta entre Satanás e Jeová. Por quê? Porque Jeová Deus havia feito um pacto com o Rei Davi, assegurando-lhe de que seus filhos governariam o povo de Jeová. (2 Samuel 7:11, 16) Que triunfo seria para Satanás se ele conseguisse instalar outra dinastia no trono em Jerusalém! Poderia até mesmo frustrar o propósito de Jeová de que a linhagem de Davi produzisse um herdeiro permanente, o “Príncipe da Paz”. — Isaías 9:6, 7.

****************************************************************

Daria certo a trama da Síria e Israel? Não. Jeová declara em ISAÍAS 7:7“Isto não se efetuará, nem sucederá.” Por meio de Isaías, Jeová disse que o sítio a Jerusalém não só falharia, mas também que ‘em apenas sessenta e cinco anos Efraim seria desbaratado para não ser povo’ conforme relatado em ISAÍAS 7:8. Sim, em 65 anos Israel não mais existiria como povo. Essa garantia, com sua especificação de tempo, devia encorajar Acaz. Da mesma maneira, o povo de Deus hoje é fortalecido por saber que o tempo que resta para o mundo de Satanás se esgota.

****************************************************************

Com a falta de fé do rei Acaz em mente, Isaías diz em ISAÍAS 7:13“Escutai-me, por favor, ó casa de Davi. É para vós algo de somenos importância fatigardes os homens, que deveis também fatigar o meu Deus?” Sim, Jeová pode cansar-se de ser constantemente desafiado. Observe, também, que o profeta disse agora “meu Deus”, não “teu Deus”. Uma mudança detestável! Ao rejeitar a Jeová e recorrer à Assíria, Acaz perdeu uma ótima oportunidade de restaurar sua relação com Deus. Jamais sacrifiquemos a nossa relação com Deus por transigirmos nas nossas crenças bíblicas em favor de vantagens temporárias!

****************************************************************

O Messias nasceria de uma virgem conforme a profecia de ISAÍAS 7:14.A palavra hebraica bethu·láh significa “virgem”, mas um outro termo (al·máh) é usado em Isaías 7:14. Ali foi profetizado que uma “donzela [ha·al·máh]” teria um filho. A palavra al·máh é usada para se referir à virgem Rebeca antes de seu casamento. (Gên. 24:16, 43) Sob inspiração, Mateus usou a palavra grega para “virgem” (par·thé·nos) ao mostrar que Isaías 7:14 se cumpriu no nascimento de Jesus. Mateus e Lucas declaram em seus evangelhos que Maria era virgem quando ficou grávida pela atuação do espírito de Deus. — Mat. 1:18-25; Luc. 1:26-35.

****************************************************************

O profeta Isaías predisse vividamente a invasão da Terra da Promessa pelos exércitos do Egito e da Assíria, assemelhando suas tropas a enxames de moscas e de abelhas, aos quais Jeová Deus figurativamente assobia para virem e pousarem nos vales de torrente e nas fendas dos rochedos conforme o relato de ISAÍAS 7:18,19. O ‘assobio’ não denota uma prática real entre apicultores, mas simplesmente indica que Jeová atrai a atenção das nações agressivas à terra de seu povo pactuado.

****************************************************************

Em ISAÍAS 7:18,19 Isaías fala de Jeová assobiar às moscas na extremidade dos canais do Nilo, do Egito, e às abelhas da terra da Assíria, para que pousem nos escarpados vales de torrente, nas fendas dos rochedos, nas moitas de espinhos e em todos os bebedouros de Judá. Evidentemente, isso deve ser entendido em sentido figurado, as moscas denotando os exércitos do Egito e as abelhas, os exércitos dos assírios.

****************************************************************

Em ISAÍAS 7:20 Jeová advertiu Judá de que o assírio seria usado por Jeová como “navalha” para ‘raspar a cabeça e os pêlos das pernas’, e para ‘tirar até mesmo a barba’, evidentemente retratando a devastação de grande parte da terra de Judá e ser a população capturada levada embora.

****************************************************************

Jeová dos exércitos — é a Ele que deveis tratar como santo e Ele deve ser o objeto de vosso medo, e Ele é quem vos deve fazer estremecer conforme o relato de ISAÍAS 8:11-13 Com isso em mente, os atuais servos de Jeová evitam conspirar por meio de acordos religiosos ou alianças políticas, ou confiar nessas coisas. Os servos de Jeová confiam plenamente na capacidade protetora de Deus. Afinal, se ‘Jeová está do nosso lado, que nos pode fazer o homem terreno?’ — Salmo 118:6.

****************************************************************

Em ISAÍAS 8:14,15 Isaías diz que Jeová mostraria ser “um lugar sagrado”, uma proteção, para os que confiassem Nele. Em contraste, os que o rejeitassem iriam “tropeçar e cair, e ser quebrados, e ser enlaçados e capturados” — cinco verbos expressivos que não deixam dúvida sobre qual seria o destino dos que não confiassem em Jeová.No primeiro século, os que rejeitaram Jesus também tropeçaram e caíram. (Lucas 20:17, 18) Um fim similar terão os que hoje negam fidelidade ao entronizado Rei celestial, Jesus. — Salmo 2:5-9.

****************************************************************

Aflições e dificuldades podem nos desanimar conforme o relato deISAÍAS 8:21,22. Nos dias de Isaías, a nação de Judá se encontrava em apuros. Estava cercada de inimigos. A comida era escassa. Muitos passavam fome. O mais grave, porém, é que havia fome espiritual. (Amós 8:11) Mas, em vez de buscarem a ajuda de Jeová para lidar com essas aflições, eles começaram a ‘invocar o mal’ contra o seu rei e o seu Deus. Eles culparam a Jeová por seus problemas. Se formos afligidos por causa de uma tragédia ou de problemas pessoais, será que também diremos no coração: ‘Onde estava Jeová quando precisei dele?’

****************************************************************

O ministério público do Messias na Galileia foi predito. Com respeito ‘à terra de Zebulão e à terra de Naftali, Galileia das nações’, Isaías escreveu em ISAÍAS 9:1,2 “O povo que andava na escuridão viu uma grande luz. Quanto aos que moram na terra de sombra tenebrosa, resplandeceu sobre eles a própria luz.” Jesus iniciou seu ministério na Galileia, morando em Cafarnaum, onde diversos habitantes dos territórios de Zebulão e Naftali se beneficiaram da luz espiritual que ele lhes trouxe. (Mat. 4:12-16) Na Galileia, Jesus proferiu seu surpreendente Sermão do Monte, escolheu seus apóstolos e realizou seu primeiro milagre. Foi provavelmente ali que ele apareceu a cerca de 500 discípulos após sua ressurreição. (Mat. 5:1–7:27; 28:16-20; Mar. 3:13, 14; João 2:8-11; 1 Cor. 15:6) Desse modo, ele cumpriu a profecia de Isaías por pregar ‘na terra de Zebulão e na terra de Naftali’. Naturalmente, Jesus continuou a pregar a mensagem do Reino em outras partes de Israel.

****************************************************************

As demonstrações de poder divino não constituem uma glorificação da guerra. O ressuscitado Jesus é o Príncipe da Paz e, por aniquilar seus inimigos, estabelecerá a paz permanente. Isaías fala a seguir de a parafernália militar estar sendo totalmente destruída pelo fogo emISAÍAS 9:5 que diz: “Toda bota daquele que anda pesadamente com tremores e a capa revolvida em sangue vieram a ser mesmo para a queima, para alimentar o fogo.” Nunca mais serão sentidos os tremores causados pelo pisar de botas de soldados em marcha. Não mais se verão uniformes manchados de sangue de guerreiros endurecidos pelo combate. Não haverá mais guerras! — Salmo 46:9.

****************************************************************

‘Onde é que a Bíblia fala sobre o governo de Deus?’ Faz isso, por exemplo, em ISAÍAS 9:6,7. Estes versículos rezam, segundo a versãoAlmeida, atualizada: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; para que se aumente o seu governo e venha paz sem fim.”

****************************************************************

A Bíblia nos fala sobre o nascimento dum filho, um príncipe. Com o tempo, este ‘filho de rei’ se tornaria um grande governante: O “Príncipe da Paz”. Seria encarregado dum governo realmente maravilhoso. Este governo trará paz à terra inteira, e esta paz durará para sempre. O menino, cujo nascimento foi predito em ISAÍAS 9:6,7, é Jesus. Quando seu nascimento foi anunciado à virgem Maria, o anjo Gabriel disse sobre Jesus: “Ele reinará . . . e não haverá fim do seu reino.” — Lucas 1:30-33.

****************************************************************

 A “palavra” de Jeová não seria desconsiderada. “O povo certamente a saberá, sim, todos eles, Efraim e os habitantes de Samaria, por causa da sua altivez e por causa da insolência de seu coração.” Conforme mostra o relato de ISAÍAS 9:9 “Jacó”, “Israel”, “Efraim” e “Samaria” referem-se todos ao reino setentrional de Israel, do qual Efraim era a tribo predominante e Samaria a capital. A palavra de Jeová contra esse reino era uma forte declaração judicial, pois Efraim se tornara implacável na apostasia e descaradamente insolente para com Jeová. Deus não protegeria o povo das conseqüências de seu comportamento perverso. Seriam obrigados a ouvir, ou atentar, à palavra de Deus. — Gálatas 6:7.

 

Anúncios

Um comentário sobre “ENCONTRE JÓIAS ESPIRITUAIS – DESTAQUES DE  ISAÍAS 6-10 DA SEMANA DE  12 A 18 DEZEMBRO DE 2016  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s